Homenagem na ALESC

Boa noite, senhoras e senhores, amigas e amigos de lutas e de sonhos do Projeto Integrar. Esta é uma noite muito importante para todos nós, professores, estudantes e colaboradores do Projeto. Em nome do Integrar eu gostaria de dizer que estamos muito contentes com esse reconhecimento. Não por termos sido acometidos pelo sentimento da vaidade, mas por entendermos que os representantes do povo de Santa Catarina reconhecem não apenas o nosso trabalho, mas sim a nossa demanda e a nossa luta. E mais do que isso, entendemos esse momento como uma oportunidade de mostrar nossas ideias e nossa luta por uma educação efetivamente transformadora. Nesse dia, sentimos o reconhecimento da importância de nossas demandas, que são, em linhas gerais:Homenagem na ALESC

 A demanda dos trabalhadores que buscam sua qualificação através do ensino superior;

A demanda dos professores em formação por novas práticas educacionais;

A demanda dos estudantes universitários de permanecer na Universidade e alcançar seu diploma.

E é em nome dessas demandas, dessas lutas, que hoje o Projeto Integrar recebe essa homenagem.

 Cumpre-nos, portanto, agradecer a sensibilidade do mandato da deputada Luciane Carminati, e do presidente do diretório municipal do Partido dos Trabalhadores, Carlos Eduardo de Souza, pela indicação do Projeto Integrar para receber a homenagem no ato solene de hoje.

 O Projeto de Educação Comunitária Integrar existe desde agosto de 2011. Ele nasceu da angústia de um grupo de professores idealistas, que sentiam a necessidade de não deixar morrer o sonho de uma educação popular legítima.

 Inicialmente, oferecemos cursos preparatórios para o vestibular. Hoje, temos muita felicidade ao afirmar que, por nossas salas de aula, sempre ocupando espaços públicos de educação, já passaram mais de 500 estudantes, os quais nos orgulhamos de ter garantido não só a preparação para um concurso, para uma prova de vestibular como o faz qualquer outro cursinho, mas, acima de tudo, por termos contribuído com muitos destes estudantes para a consolidação de uma visão crítica e emancipatória diante do mundo. Em todo este tempo, nos orgulhamos em perceber a transformação na vida de muitos trabalhadores, de todas as idades, cores e crenças, e já somamos mais de 230 aprovações em vestibulares, como UFSC, UDESC, USJ.

Nossa compreensão de educação vai muito além da sala de aula, tendo por base os princípios da educação popular e comunitária, visando a formação da cidadania.  Assim, realizamos diversas ações ao longo dos quatro anos de Projeto, incluindo aulas temáticas aos finais de semana, saídas de campo, rolezinhos em eventos da UFSC e visitas a exposições. 

 E nós acreditamos – e sempre faremos acreditar – que podemos ainda ser muito mais. Só em 2015, tivemos mais de 1.200 inscritos interessados em participar do Projeto. Mas hoje temos uma limitação de recursos e de espaço físico que nos impede de atender a todos que nos procuram. Na difícil tarefa de selecionar os estudantes que atenderíamos, buscamos seguir o nosso desejo de reconhecer a singularidade de cada indivíduo, e assim conhecer as pessoas que buscam a possibilidade da educação não-formal oferecida pelo Projeto Integrar – para isso, realizamos cerca de 520 entrevistas. Em cada uma delas, uma banca com três representantes do Projeto Integrar ouviu as histórias e os relatos de vida dos estudantes, o que não torna a seleção menos difícil, mas que tenta ser a mais humana possível. Sonhamos com o dia em que não exista mais essa limitação em que apenas 230 estudantes são selecionados para participar, como em 2015. Mais do que isso, sonhamos com o dia em que a educação superior deixe definitivamente de ser um privilégio, e passe a ser um direito efetivo de todos.

Nosso muito obrigado a todos os que caminharam conosco até aqui, àqueles que de várias formas contribuíram para recebermos esse reconhecimento. Nos falta ainda uma parede própria para colocar essa placa, mas ela serve para nos lembrar de mais essa luta. Uma placa que é uma homenagem a todos os 39 professores que hoje são associados ao Projeto Integrar, às nossas demais ações tão grandiosas como a Gestão Estudantil Universitária, a Gestus, e o Transformar, nosso projeto de formação de professores, e aos nossos estudantes que nos acompanham nesta caminhada. Essa homenagem nos torna ainda mais certos de que estamos, aos poucos, no caminho certo, e nos leva a reafirmar ainda mais nosso compromisso com a educação, que acreditamos ser o caminho para uma real transformação da sociedade. 

Boa noite, senhoras e senhores, amigas e amigos de lutas e de sonhos do Projeto Integrar. Esta é uma noite muito importante para todos nós, professores, estudantes e colaboradores do Projeto. Em nome do Integrar eu gostaria de dizer que estamos muito contentes com esse reconhecimento. Não por termos sido acometidos pelo sentimento da vaidade, mas por entendermos que os representantes do povo de Santa Catarina reconhecem não apenas o nosso trabalho, mas sim a nossa demanda e a nossa luta. E mais do que isso, entendemos esse momento como uma oportunidade de mostrar nossas ideias e nossa luta por uma educação efetivamente transformadora. Nesse dia, sentimos o reconhecimento da importância de nossas demandas, que são, em linhas gerais:

A demanda dos trabalhadores que buscam sua qualificação através do ensino superior;

A demanda dos professores em formação por novas práticas educacionais;

A demanda dos estudantes universitários de permanecer na Universidade e alcançar seu diploma.

E é em nome dessas demandas, dessas lutas, que hoje o Projeto Integrar recebe essa homenagem.

Cumpre-nos, portanto, agradecer a sensibilidade do mandato da deputada Luciane Carminati, e do presidente do diretório municipal do Partido dos Trabalhadores, Carlos Eduardo de Souza, pela indicação do Projeto Integrar para receber a homenagem no ato solene de hoje.

O Projeto de Educação Comunitária Integrar existe desde agosto de 2011. Ele nasceu da angústia de um grupo de professores idealistas, que sentiam a necessidade de não deixar morrer o sonho de uma educação popular legítima.

Inicialmente, oferecemos cursos preparatórios para o vestibular. Hoje, temos muita felicidade ao afirmar que, por nossas salas de aula, sempre ocupando espaços públicos de educação, já passaram mais de 500 estudantes, os quais nos orgulhamos de ter garantido não só a preparação para um concurso, para uma prova de vestibular como o faz qualquer outro cursinho, mas, acima de tudo, por termos contribuído com muitos destes estudantes para a consolidação de uma visão crítica e emancipatória diante do mundo. Em todo este tempo, nos orgulhamos em perceber a transformação na vida de muitos trabalhadores, de todas as idades, cores e crenças, e já somamos mais de 230 aprovações em vestibulares, como UFSC, UDESC, USJ.

Nossa compreensão de educação vai muito além da sala de aula, tendo por base os princípios da educação popular e comunitária, visando a formação da cidadania.  Assim, realizamos diversas ações ao longo dos quatro anos de Projeto, incluindo aulas temáticas aos finais de semana, saídas de campo, rolezinhos em eventos da UFSC e visitas a exposições. 

E nós acreditamos – e sempre faremos acreditar – que podemos ainda ser muito mais. Só em 2015, tivemos mais de 1.200 inscritos interessados em participar do Projeto. Mas hoje temos uma limitação de recursos e de espaço físico que nos impede de atender a todos que nos procuram. Na difícil tarefa de selecionar os estudantes que atenderíamos, buscamos seguir o nosso desejo de reconhecer a singularidade de cada indivíduo, e assim conhecer as pessoas que buscam a possibilidade da educação não-formal oferecida pelo Projeto Integrar – para isso, realizamos cerca de 520 entrevistas. Em cada uma delas, uma banca com três representantes do Projeto Integrar ouviu as histórias e os relatos de vida dos estudantes, o que não torna a seleção menos difícil, mas que tenta ser a mais humana possível. Sonhamos com o dia em que não exista mais essa limitação em que apenas 230 estudantes são selecionados para participar, como em 2015. Mais do que isso, sonhamos com o dia em que a educação superior deixe definitivamente de ser um privilégio, e passe a ser um direito efetivo de todos.

Nosso muito obrigado a todos os que caminharam conosco até aqui, àqueles que de várias formas contribuíram para recebermos esse reconhecimento. Nos falta ainda uma parede própria para colocar essa placa, mas ela serve para nos lembrar de mais essa luta. Uma placa que é uma homenagem a todos os 39 professores que hoje são associados ao Projeto Integrar, às nossas demais ações tão grandiosas como a Gestão Estudantil Universitária, a Gestus, e o Transformar, nosso projeto de formação de professores, e aos nossos estudantes que nos acompanham nesta caminhada. Essa homenagem nos torna ainda mais certos de que estamos, aos poucos, no caminho certo, e nos leva a reafirmar ainda mais nosso compromisso com a educação, que acreditamos ser o caminho para uma real transformação da sociedade.

Deixe uma resposta