Jonny Alan Morais
Estudante de Geologia

Jonny Alan Morais Estudante de Geologia futuro geólogo, 24 anos. Cresci entre Biguaçu e o Morro do Aval, sou o irmão mais velho de duas lindas meninas, filho de Soneli (meu exemplo e minha rainha) e de dado sem registro.
Logo cedo assumi responsabilidades grandes demais para uma criança franzina e de poucas palavras: como irmão mais velho fui encarregado pela vida de cumprir as funções de protetor, pai e exemplo. Mas hoje vejo que essas responsabilidades precoces e a dedicação de minha mãe não me deixaram escolher o caminho mas fácil e ruim. Minha mãe nunca teve chance de concluir os seus estudos, então se esforçou ao máximo pra que seus filhos tivessem essa oportunidade, e mesmo com todo esse apoio eu nunca tive a formação superior como um objetivo e sim apenas como um sonho.Jonny Cursava o terceiro ano do ensino médio e trabalhava ao mesmo tempo em um rede de supermercados, e não tinha tempo para me dedicar ao vestibular e na verdade nem pensava nisso, só pensava em trabalhar mais pra ver minha mãe trabalhar menos e ela sempre a me incentivar e mostrando que só o estudo traria algo a mais do que ela pode nos dar.
Terminei o ensino médio e passei só a trabalhar sem pensar em estudar, quando resolvi que deveria tentar ter um diploma de ensino superior, coloquei em mente que só seria capaz através de instituições particulares, pois seria impossível passar em um vestibular público. Cursei um semestre em uma faculdade particular, mas logo. desisti, não consegui manter os altos custos.
Passei mais um tempo só trabalhando até que resolvi tentar novamente, e acabei conhecendo o Projeto Integrar, onde tive uma das grandes oportunidades da minha vida. E foi um ano muito dificil e cansativo: jornada casa, trabalho, Integrar, casa… Mas consegui permanecer até o fim do ano e ainda no decorrer do ano após várias conversas com o professor Kleicer cheguei a outra dificil decisão e a conclusão que eu pobre, negro e filho de mãe solteira também tinha o direito de cursar a universidade pública no curso e horário que eu bem entendesse e tinha o direito de focar apenas nos estudos. No início de 2013 saí do meu emprego e me matriculei no curso diurno de Geologia na UFSC. Desde lá foram cinco semestres de muita dificuldade, tanto pelo fraco ensino básico que tive como por questões financeiras. O que me faz continuar nessa dura jornada, além do objetivo de dar o merecido descanso a minha rainha, é apoio de toda a GESTUS, lugar onde fui acolhido e que pessoas sonhadoras igual a mim não me deixaram desistir, e hoje dentro da GESTUS eu tento acolher quem está chegando tão bem como eu fui recebido e mostrar que coletivamente o caminho se torna mais fácil.