Greise Schmitz de Bitencourt
Estudante de Letras Português

Sou caçula de onze irmãos. Somente eu consegui entrar em uma Universidade. No entanto, para conseguir chegar até a universidade foi através do cursinho do Projeto Integrar no ano de 2012. Nem acreditei quando vi meu nome entre os candidatos aprovados. Chorei de emoção! Porque não tinha como pagar um cursinho pré-vestibular particular. GreiseQue emoção voltar a estudar depois de dez anos. Tive muita dificuldade nas matérias, porque não lembrava de mais nada e também sair do Rio Vermelho às 6:30 da manhã de ônibus para trabalhar e voltar para casa às 23:30, devido às aulas do cursinho à noite. Trabalhava no período da manhã as minhas chefes me deixavam ficar estudando na cozinha à tarde, pois voltar para o bairro não valia a pena. Pois meu objetivo era poder mostrar para mim e para a minha família que seria capaz de conseguir me matricular em uma universidade pública. Hoje estou aqui para tentar conquistar outra meta que é poder ter minha graduação do meu curso de licenciatura e dar aulas no Projeto Integrar e ajudar outros na busca de uma graduação. Também mostrar, ajudar e incentivar os meus filhos que todos somos capazes de conseguir nossos sonhos. Basta projetar, lutar e não perder as oportunidades na vida de conquistar uma vaga dentro da universidade federal. Perdi meus pais aos meus vinte e dois anos de idade com dois filhos pequenos na época. Hoje tenho trinta e nove anos e tenho certeza que eles iriam ficar muito felizes de saber que ao menos uma dos doze filhos conseguirá ter um canudo, uma formação de nível superior, porque estar na UFSC, é agora outra luta de estudar e batalhar pelas bolsas de estudo, o que não é fácil de conseguir. Enfim, minha luta pelo direito de estudar será ao lado da Gestus, que me representa.